"A condição padrão das plantas é a imortalidade"



Nativa da Coréia, China e Japão, a Ginkgo biloba é uma árvore que chega a 40 metros de altura e pode viver por aproximadamente 4 mil anos, tendo sido considerada por Charles Darwin um "fóssil vivo". É um dos organismos vivos mais antigos do planeta Terra, antes mesmo dos dinossauros ou flores. Sua longevidade deve-se à grande capacidade de suportar insultos tóxicos e à resistência a infecções, bactérias, fungos e vírus. A espécie consegue persistir em locais com pouca luz e com escassez de nutrientes.

Baseados nestes pressupostos, uma nova pesquisa, publicada na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences, nomeadamente Multifeature analyses of vascular cambial cells reveal longevity mechanisms in old Ginkgo biloba trees, revela os mecanismos moleculares que permitem as espécies de Ginkgo biloba (e até outras árvores) sobreviverem por milhares de anos. O artigo científico completo pode ser acessado em: https://www.pnas.org/content/117/4/2201

As árvores de ginkgo, que produzem folhas características em forma de leque, podem viver por milhares de anos. (Marzena P. / Pixabay)

O novo estudo fornece a primeira evidência genética real de algo que os cientistas suspeitam há muito tempo: “A condição padrão das plantas é a imortalidade”, diz Howard Thomas, biólogo de plantas da Universidade de Aberystwyth que não estava envolvido no trabalho.

Os responsáveis pelo estudo Li Wang, biólogo molecular de plantas da Universidade de Yangzhou, e seus colegas descobriram ao examinar os anéis de crescimento da espécie que o crescimento dos ginkgos não diminuiu após centenas de anos, na verdade, seu crescimento as taxas às vezes aceleravam. Além disso, o tamanho das folhas, a capacidade fotossintética e a qualidade das sementes das árvores - todos indicadores de saúde - não diferiram com a idade.

Os pesquisadores analisaram a nível genético a expressão gênica nas folhas e no câmbio. A equipe de Wang sequenciou o RNA das árvores e examinou a produção de hormônios vegetais, como esperado, a expressão de genes associados à senescência (estágio final da vida das plantas) aumentou nas folhas que morrem, mas quando os pesquisadores analisaram a expressão desse mesmo gene no câmbio eles não encontraram diferenças entre árvores jovens e velhas.  Isso sugere que, embora órgãos como folhas pereçam, é improvável que as próprias árvores morram com a velhice.

Há evidências de que as árvores experimentam algumas mudanças ao longo do tempo nos hormônios de crescimento, indicando possivelmente uma diminuição na taxa de divisão das células cambiais ”se isso ocorrer após milhares de anos, o crescimento das árvores passa a desacelerar e as árvores de ginkgo acabem morrendo de velhice”, diz o biólogo vegetal Jinxing Lin, da Universidade Florestal de Pequim e autor do estudo

No entanto, parece morrer de "acidentes", como pragas ou secas. Para verificar se as árvores se tornam mais vulneráveis ​​a estressores à medida que envelhecem, os pesquisadores examinaram genes relacionados à resistência a patógenos e à produção de compostos antimicrobianos protetores chamados flavonóides. Eles não encontraram diferença na expressão gênica para árvores de diferentes idades, sugerindo que as árvores não perdem sua capacidade de se defender contra estressores externos. Essa é uma habilidade "impressionante" que ajuda os ginkgos a crescer saudavelmente por milhares de anos, "O envelhecimento não é um problema para esta espécie", diz o fisiologista da planta Sergi Munné-Bosch, da Universidade de Barcelona, ​​que não participou do estudo "O problema mais importante com o qual eles precisam lidar é o estresse" .

Conclusivamente, os pesquisadores dizem que continuarão estudando as taxas de mutação em ginkgo e examinando os mecanismos por trás do envelhecimento. 

Com informações de:

Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem