Ads Top

Produtos Florestais Não Madeireiros

           
          

          As demandas nacionais por produtos oriundos das florestas do País crescem a cada dia, seja eles produtos madeireiros ou não madeireiros. O manejo florestal surge como uma alternativa e solução para a exploração dos recursos da floresta de forma sustentável de maneira a suprir a demanda, garantindo a conservação dos remanescentes florestais.  Inclusive, os Produtos Florestais Não Madeireiros (PFNM’s) tem caído no gosto da população Brasileira e contribuído para a renda de muitas famílias.
            A exploração dos PFNM’s tem se intensificado nestes últimos anos, devido sua importância econômica, social e ambiental, por atuar em pequenas propriedades e preservar parte da biodiversidade das florestas nativas. Alguns estudos com populações rurais constataram que a atividade de exploração de PFNM’s pode proporcionar maior engajamento de pessoas, que passam a ter, na atividade, um componente de subsistência, como também uma alternativa na complementação da renda de muitos agricultores.
            Os recursos não madeireiros da floresta passaram a ter maior exploração no Brasil após a Rio 92, evento no qual surgiu o termo sustentabilidade, cujo princípio é que a ação humana, no presente, não deve comprometer os recursos naturais e a qualidade de vida das gerações futuras. Mas o conceito vai além disso, incorporando aspectos de sustentabilidade ambiental, ecológica, social, política, econômica, demográfica, cultural, institucional e espacial. As atividades voltadas para a exploração de PFNM’s é considerada sustentável quando adotadas técnicas de Manejo Florestal, visando a exploração dos recursos, impactando o mínimo a floresta e enriquecendo as áreas com o plantio de mais indivíduos das espécies exploradas. Além disso, considera-se também a contribuição deste serviço para a geração de renda e empregos a uma comunidade, segurança alimentar, dentre outros.

Mas, afinal, o que são Produtos Florestais Não Madeireiros? O que podem ser considerados PFNMs?

O Ministério do Meio Ambiente (MMA) define PFNMs como produtos florestais não lenhosos de origem vegetal tais como resina, cipó, óleo, sementes, plantas ornamentais, plantas medicinais, entre outros, bem como serviços sociais e ambientais, como reservas extrativistas, sequestro de carbono, conservação genética e outros benefícios oriundos da manutenção da floresta. Entretanto, a outros autores denominam PFNMs como produtos de origem vegetal e animal e podem ser obtidos dos recursos naturais, bem como serviços sociais e ambientais, como reservas extrativistas, sequestro de carbono, conservação genética e outros benefícios oriundos da manutenção da floresta. A diferença dos conceitos é so a implementação de produtos de origem animal oriundos da floresta.
Além dos PFNM’s, também podem ser explorados recursos madeireiros com finalidades distintas, como serraria, marcenaria, lenha, carvão. Dentre os dois produtos explorados das florestas, os PFNM’s se diferem basicamente nos seguintes aspectos dos produtos madeireiros:

- exibem grande variedade de produtos e espécies;
- o habitat nos quais econômica e ecologicamente os produtos podem ser obtidos;
- baixo rendimento por unidade de área;
- alto valor monetário somente quando em quantidades consideráveis;
- a exploração (ou coleta) requer intensa mão de obra.

Vale ressaltar que a atividade extrativista vegetal ou exploração dos PFNM’s podem ser classificadas em duas categorias distintas, consideradas atividades autossustentáveis:

Extrativismo de coleta - extração do recurso se prende à coleta sem danificar a planta mãe;
Extrativismo de aniquilamento -  atividade implica a destruição da planta matriz.

           Em âmbito mundial, os PFNM’s vem ganhado destaque pelos inúmeros benefícios que tem trazido as comunidades rurais que trabalham com estes produtos, por gerarem rendas as famílias, forma de subsistência e para
propósitos culturais e sociais, como também a população urbana que industrializa esses produtos, gerando empregos, renda a população e segurança alimentar, por muitos desses alimentos de origem florestal serem saudáveis a saúde humana. Principalmente, o benefício ambiental proporcionado pelo PFNM’s é enorme, pois estimula a conservação de florestas e sua biodiversidade, oferecendo uma série de serviços ambientais que podem vim a amenizar várias mudanças climáticas que ocorrem no planeta. Os principais benefícios dos PFNM’s são:

- Fonte alternativa de renda a comunidades rurais;
- Subsistência rural;
- Geração de empregos;
- Conservação de Florestas, oferecendo serviços ambientais e sociais a sociedade;
- Segurança Alimentar;

A exploração dos PFNM’s se dão também em áreas de plantios comerciais, como em Sistemas Agroflorestais e Florestas Plantadas para obtenção destes produtos.  

Principais PFNMs do Brasil   
   
O Brasil é caracterizado por ser um país com ampla extensão territorial, sendo 54,4% do seu território coberto por florestas nativas. Possui clima tropical, proporcionando condições edafoclimáticas para o desenvolvimento de florestas em todo o país. Associado a este fator, estão os produtos oferecidos pelas as florestas, que condicionam renda a milhares de brasileiros.
Com sua infinidade de biomas (Amazônia, Cerrado, Caatinga, Mata Atlântica, Caatinga, Pampa e Pantanal) podem ser encontrados uma infinidade de PFNM’s com características distintas e diversas finalidades: alimentícia, cosméticos, artesanais, medicinais, utilidades entre outras. As diferentes condições edafoclimáticas influenciarão na formação das florestas com fisionomias distintas.

Porcentagem de cobertura florestal natural por bioma (2012)
Fonte: Brasil. MMA (2007b), adaptado / SFB. GEIF.

O potencial de PFNM’s no país vem crescendo conforme a demanda, o aumento da exploração de novos produtos não madeireiros em florestas ou do cultivo em Sistemas Agroflorestais. É enorme a quantidade de PFNM’s e os serviços oferecidos pelos biomas brasileiros a disposição das comunidades rurais que podem ser utilizados para diversos fins. Dentre os biomas, a Amazônia é o bioma que possui maior potencial para exploração de PFNM’s, devido a sua grande biodiversidade de espécies vegetais e animais, importância ambiental diferenciada em âmbito nacional e internacional, por conta da manutenção do clima no planeta, os serviços oferecidos como sequestro de carbono e proteção da sua biodiversidade.
Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostram que a participação de produtos não madeireiros na extração vegetal contribui com cerca de 1,5 bilhão de reais, enquanto os PFNM’s oriundos de atividades silviculturais contribuíram com cerca de 292,2 milhões de reais. O grupo de produtos Alimentícios foi o que apresentou o maior valor da produção extrativa não madeireira em 2015, participando com 69,4% do valor total obtido, seguido pelas Ceras (14,8%), Oleaginosos (8,3%), Fibras (7,0%) e demais grupos (0,5%).
Os PFNM’s que obtiveram maior valor de produção em 2015, segundo o IBGE, foram, respectivamente: nos Alimentícios, o açaí (R$ 480,6 milhões), a erva-mate nativa (R$ 396,3 milhões) e a castanha-do-pará (R$ 107,4 milhões); nas Ceras, o pó de carnaúba (R$ 195,6 milhões); nos Oleaginosos, as amêndoas de babaçu (R$ 107,7 milhões); e, nas Fibras, a piaçava (R$ 101,3 milhões).

Confira os principais PFNM's do Brasil:







Sobre a distribuição da exploração dos PFNM’s, O extrativismo vegetal não madeireiro, em sua maioria, se concentra na Região Norte, com destaque para o açaí (93,1%) e a castanha-do-pará (94,9%), e na Região Nordeste, onde ressaltam as produções de amêndoas de babaçu (99,7%), fibras de piaçava (96,1%) e pó de carnaúba (100,0%). Na Região Sul, sobressaem apenas dois produtos: erva-mate (99,9%) e pinhão (85,5%). A exploração dos PFNM’s também é destaque no brasil, estando concentrada nas Regiões Sudeste e Sul – a de cascas de acácia-negra só é encontrada na Região Sul, enquanto as produções de folhas de eucalipto (94,7%) e de resina (73,7%) estão na Região Sudeste.

Manejo dos PFNM’s

           Antes de iniciar os trabalhos exploratórios dos PFNMs, é necessário que um técnico ou o empreendedor capacitado no assunto, esteja ciente quais serão as práticas adotadas no manejo dos produtos não madeireiros e quais serão os produtos obtidos, considerando-os parte do agronegócio regional. Além disso, deverão ser considerados aspectos como: concorrentes; fornecedores de insumos; canais de distribuição; oscilação das demandas nos principais segmentos do mercado; e as expectativas que o cliente tem em relação ao produto esperado.
           Levando em consideração todos os aspectos citados anteriormente, o tomador de decisão deve construir uma ampla base de dados, para que possa ponderar sobre os seguintes aspectos: mercado; manejo da espécie florestal; concorrentes; armazenamento/beneficiamento; qualificação da mão-de-obra; aspectos sócioculturais da comunidade; política econômica; política florestal nacional e regional; transporte da produção/acesso à área do manejo florestal; e aspectos ambientais do manejo.

São precisos cinco passos básicos para o manejo dos produtos não madeireiros:

1- Planejamento inicial (recolha de toda informação básica e bibliográfica possível da área, como mapas, mapas de solo, dados climatológicos, tipologia preliminar florestal e outros levantamentos);

2- Inventários florestais detalhados (considerando distribuição, abundância dos diferentes recursos e tipologia florestal);

3- Seleção das espécies a serem manejadas (considerando fatores econômicos e sociais e potencial de manejo. Esta avaliação de potencial será baseada nas características do ciclo de vida da planta, tipos de recursos produzidos, abundância em consideração às diferentes tipologias florestais e estrutura de população);

4- Rendimento do manejo (tem o objetivo de prover uma razoável estimativa da quantidade de recurso que pode ser produzida em bases sustentáveis em um habitat particular. Neste caso deverá se selecionar amostras e métodos de análise adequados);

5- Definição final do método de manejo a ser utilizado. Subsequentemente as “aproximações” e ajustes e correto monitoramento irão definir o manejo mais correto dos produtos.

Com informações de:
Açai. Disponível em: http://www.arara.fr/BBACAI.html. Acesso em 20 de março de 2017.
A Piaçaveira Desponta Como Cultura de Destaque na Economia da Região do Sul da Bahia. http://www.ceplac.gov.br/radar/piacava.html. Acesso em 20 de março de 2017.
Babaçu. Disponível em: http://www.cerratinga.org.br/babacu/. Acesso em 20 de março de 2017.
Carnaúba. Disponível em: http://www.cerratinga.org.br/carnauba/. Acesso em 20 de março de 2017.
Erva Mate. Disponível em: http://www.portalsaofrancisco.com.br/biologia/erva-mate. Acesso em 20 de março de 2017.
http://www.wwf.org.br/natureza_brasileira/especiais/biodiversidade/especie_do_mes/fevereiro_castanheira_do_brasil.cfm
FIELDER, N. C.; SOARES, T. S.; SILVA, G. F. Produtos Florestais Não Madeireiros: Importância e Manejo Sustentável da Floresta. Revista Ciências Exatas e Naturais, Vol.10 nº 2, Jul/Dez 2008
BRAZ, E.M. Opciónes de manejo e exploración sostenible de florestas tropicales. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL POSIBILIDADES DE MANEJO FORESTAL SOSTENIBLE EN AMÉRICA TROPICAL. Santa Cruz de la Sierra, 1997. Memoria… Santa Cruz de la Sierra: BOLFOR/IUFRO/ CIFLOR, 1997. p. 126-134.
SABOGAL, C. Planes de manejo forestal y necesidades de información para el manejo operacional. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL POSIBILIDADES DE MANEJO FORESTAL SOSTENIBLE EN AMÉRICA TROPICAL. Santa Cruz de la Sierra, 1997. Memoria… Santa Cruz de la Sierra: BOLFOR/IUFRO/ CIFLOR, 1997. p. 135-147.
SIQUEIRA, T.V. Desenvolvimento sustentável: Antecedentes históricos e
propostas para a agenda 21. Revista do BNDES, Rio de Janeiro, v. 8, n. 15, p
247-288, 2001.
FAO – FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS. Non-wood forest products for rural income and sustainable forestry. Roma: FAO, 1995. 127p. (FAO technical papers - Series Non Wood Forest Products, 7).
DE LA PEÑA, G.; ILLSLEY, C. Los productos forestales no maderables: importancia económica, social y como estrategia de conservación. La jornada, Viernes, 27 ago. 2001. La Jornada Ecológica. Disponível em:<http://www. jornada.unam.mx/2001/08/27/eco-a.html>. Acesso em: 20 de março de 2017.
EMBRAPA - EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA.
Manejo florestal não madeireiro em unidade de conservação de uso direto. Rio
Branco: EMBRAPA, 2000. 4p. (Folheto).
Produtos Madeireiros e Não Madeireiros. Disponível em: http://www.mma.gov.br/florestas/manejo-florestal-sustent%C3%A1vel/produtos-madeireiros-e-n%C3%A3o-madeireiros. Acesso em 21 de março de 2017.
OLIVEIRA, L. C. Manejo Florestal não Madeireiro. Disponível em http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/manejo_florestal/arvore/CONT000gf13h1zn02wx5ok0dnrsvxgsiymuq.html. Acesso em 21 de março de 2017.


Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.