Ads Top

EXCLUSIVO: Entrevista com Professor Drº Sebastião do Amaral Machado



Prof° Sebastião é formado na primeira turma de Eng. Florestal no Brasil (Turma 1965 - UFPR)


Prof. Sebastião do Amaral Machado, Eng. Florestal Turma 1965 (UFPR)



É com muita honra e satisfação, que entrevistamos o Professor Dr° Sebastião do Amaral Machado, nosso terceiro entrevistado do CF, ele que é um dos primeiros Engenheiros Florestais do Brasil. Possui a graduação pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), na primeira turma do primeiro curso no Brasil (1965), mestrado em Dasometria, Mensuração Florestal pelo Instituto Interamericano de Ciências Agrícolas da Oea (1972) e doutorado em Biometria e Manejo Florestal pela Universidade de Washington em Seattle Washington U S A (1978). Atualmente é assessor/consultor da Fundação Araucária de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Paraná e Professor Sênior da Universidade Federal do Paraná. Tem experiência na área de Recursos Florestais e Engenharia Florestal, com ênfase em Dendrometria e Inventário Florestal, atuando principalmente nos seguintes temas: Bracatinga, Pesquisa Florestal, Manejo Florestal, Floresta Tropical e Funções de Afilamento.
 A entrevista foi realizada por Luciano França, Coordenador de Redação do Central Florestal, Leiam na íntegra abaixo: 
Central Florestal Professor Sebastião, antes de realizarmos perguntas mais específicas sobre a história de criação do curso, gostaríamos de saber o que lhe fez e motivou por volta da década de 60 a escolher o curso de engenharia florestal?
Professor Sebastião Na realidade não fui eu quem escolhi a Engenharia Florestal e sim, a Engenharia Florestal que me escolheu. Quando eu terminei o colegial em dezembro de 1960, eu tinha em mente fazer Agronomia em Viçosa. Antes de chegar a Viçosa em janeiro de 1961, eu jamais tinha ouvido falar no curso de Engenharia Florestal, o qual tinha sido criado no ano anterior. Eu me inscrevi e fiz vestibular para Agronomia, sendo aprovado, porém não classificado. O processo seletivo envolvia prova escrita e oral e durou mais de 15 dias de vestibular. Naquele ano foram 400 candidatos inscritos para Agronomia e apenas 40 para Engenharia Florestal. Deve-se observar que para ser aprovado o candidato tinha que obter no mínimo nota quatro em todas as matérias do vestibular e média cinco.
Das 20 vagas existentes na época para o curso de Engenharia Florestal, foram aprovados somente 10 candidatos. Então a universidade consultou aos 10 primeiros da lista de excedentes da Agronomia se eles aceitavam cursar Engenharia Florestal. Todos os 10 primeiros excedentes aceitaram com muita alegria se matricular em Engenharia Florestal. O fato é que esses 10 excedentes se adaptaram muito bem a essa nova carreira e se tornaram Engenheiros Florestais exercendo a profissão com muita galhardia. Hoje a gente comenta que a males que vem para o bem! Assim, o destino me fez Engenheiro Florestal.

Central Florestal Professor, como conhecemos a história da criação do primeiro curso de Eng. Florestal no Brasil, já contada em um livro escrito pelo senhor, em artigos, e recontada em eventos, palestras, e mais recentemente em um Congresso digital online. Nossa segunda pergunta é como o senhor vê hoje, após mais de 50 anos da criação do curso, o processo de estabelecimento e valorização da profissão no mercado de trabalho?
Professor Sebastião Quando as primeiras turmas ingressaram no curso de Engenharia Florestal, para nós era como embarcar para o desconhecido. Não existiam atribuições definidas e nem representação da classe. O que tínhamos eram perspectivas. Coube a nós um trabalho árduo no processo de estabelecimento e valorização da profissão e na abertura do mercado de trabalho. Como profissão minoritária foi muito difícil conseguir dentro do sistema CONFEA/CREAs as atribuições que julgávamos justas e baseadas no currículo pleno que tínhamos. Até então a Engenharia Agronômica já muito consolidada no país tinha todas as atribuições que o Engenheiro Florestal achava serem suas por direito. Foram anos de lutas até chegar a um entendimento razoável sobre nossas atribuições. Entendemos hoje que o próprio mercado mais bem informado sobre as profissões faça a seleção, ou seja, do profissional mais apropriado para exercer as atividades requeridas.  
Central Florestal Professor, fazendo uma volta no tempo, existe um nome principal, a quem o senhor diria ser o mentor responsável pela criação do primeiro curso no Brasil?
Professor Sebastião Sem dúvida alguma o principal mentor responsável pelo primeiro curso no Brasil foi o Doutor Paulo Ferreira de Souza. O Doutor Paulo, como o chamávamos, logo após se graduar em Agronomia e entrar para o Ministério da Agricultura trabalhando na parte florestal, em 1926 foi fazer um aperfeiçoamento na Universidade de Yalle. Durante o seu período de quase dois anos nos Estados Unidos ele se inteirou do quão esse país estava adiantado em termos florestais comparativamente com o Brasil. Nessa época a Engenharia Florestal nos EUA já era consolidada.
 Ao regressar ao Brasil ele começou a propagar este avanço e a sugerir que o Brasil necessitava de um curso de formação florestal a nível superior. Assim ele foi ao longo do tempo convencendo outros profissionais da necessidade que o país tinha de criar seu curso de Engenharia Florestal. Apesar da insistência do Doutor Paulo ao longo dos anos, tempos se passaram até que a ideia se amadureceu, para em 1960, ser criado o curso.
Na reta final das discussões para a criação do curso, vários outros profissionais tiveram destaque e dentre eles cito o Doutor David Azambuja, então diretor do Serviço Florestal Brasileiro. O Doutor Azambuja se encarregou de viabilizar politicamente a criação da Escola Nacional de Florestas. O Doutor Paulo foi quem redigiu a minuta de decreto para a criação da Escola. Na qualidade de já aposentado pelo Ministério da Agricultura foi o primeiro diretor oficialmente indicado. O Doutor Paulo permaneceu em Viçosa como diretor por menos de dois anos. Ele se desentendeu com a direção da Universidade Rural do Estado de Minas Gerais, pediu demissão, sendo então substituído pelo Doutor João Maria Belo Lisboa. Ressalte-se que ao alocar a Escola em Viçosa, o diretor da Escola de Agronomia de Viçosa, Professor Carlos Socias Schlottfeldt, foi por quase um ano diretor interino da Escola Nacional de Florestas.
            Deve-se ressaltar que a Escola Nacional de Florestas pertenceu em seus primeiros anos de existência ao Ministério da Agricultura, passando a pertencer ao Ministério da Educação quando foi transferida em 1963/64 para a Universidade Federal do Paraná.
Central Florestal Após a criação do curso na chamada Escola Nacional de Florestas, em Viçosa, o curso foi transferido para UFPR em Curitiba (PR). Como foi em termos de entendimento e aceitação entre os primeiros discentes e professores? Houve muita resistência?
Professor Sebastião Ao se criar a Escola Nacional de Florestas, gestões foram tomadas para se firmar convênio com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) - FAO da ONU para suprir o curso com professores para as disciplinas profissionalizantes. Quando os professores da FAO, vindos de diversos países chegaram a Viçosa, eles começaram a questionar a sua localização, alegando que a região de Viçosa quase não tinha florestas e muito menos indústrias florestais. Além disto, eles achavam que Viçosa era muito remota.
Assim começaram a trabalhar no sentido de transferência da Escola para uma região de tradição florestal e com indústria madeireira. Também por motivos políticos o então presidente João Goulart ao receber a solicitação, assinou o decreto de transferência em 14 de novembro de 1963. Evidentemente houveram muitos burburinhos por parte tanto dos professores como dos estudantes. Os professores da FAO queriam sair de Viçosa e outros professores dos cursos básicos de Viçosa eram contrários. Os alunos, em assembleia, decidiram por maioria absoluta apoiar a transferência. A juventude sempre gostou de novidades e foi isto que aconteceu com os estudantes, embora alguns poucos tenham votado contra a transferência. Isto evidentemente não ia alterar em nada porque a decisão já tinha sido tomada. Assim ao terminar o ano letivo em início de dezembro de 1963, os estudantes receberam a orientação para se apresentarem em 1º de março de 1964 em Curitiba para o início das aulas.



Central Florestal - Professor, hoje no Brasil já temos 68 cursos de bacharelado em engenharia florestal espalhados por 58 instituições de ensino pelo território nacional, segundo a SBF. Como o senhor vê essa expansão, levando-se em consideração que é um curso relativamente novo no país? E com a expansão e interiorização das universidades há alguns anos, houve uma explosão na criação de mais cursos, e ainda com forte tendência e influencia até os dias de hoje, uma vez que novos cursos estão surgindo. O senhor se vê otimista com esse aumento em números de cursos?
Professor Sebastião Eu vejo esta expansão com alguma cautela. O presidente da SBEF (Bantel) é de opinião que temos espaço no Brasil para 120 cursos, sendo um para cada ecossistema do país. Por outro lado, devemos estar graduando em torno de 2 mil Engenheiros Florestais por ano. O mercado de trabalho não tem absorvido toda esta quantidade de engenheiros florestais. No entanto, uma quantidade grande de profissionais pressionando ajuda a expandir esse mercado e a ocupar os espaços para os quais o Engenheiro Florestal seja o mais preparado.  
Central Florestal - Após sua graduação, em 1965, o senhor foi ao exterior desenvolver um mestrado pelo Instituto Interamericano de Ciências Agrícolas da Oea (1972) e doutorado pela Universidade de Washington em Seattle Washington U.S.A (1978), além de algumas especializações em outros países, uma vez que ainda não havia nenhum programa de pós-graduação no Brasil. Hoje no país, segundo dados da SBF, temos 11 cursos de pós-graduação em Ciência Florestal, em 21 universidades.
Como o senhor vê a consolidação da pós-graduação florestal no país? Hoje elas conseguem atender a uma demanda de formação de cientistas competitivos a níveis nacional e internacional?
Professor Sebastião Antes de começar a responder a questão, eu gostaria de lhe informar que existem 21 programas de Pós-Graduação em Engenharia Florestal no país, dos quais 14 tem mestrado e doutorado e os outros apenas mestrado. O primeiro programa a nível de mestrado foi criado em 1972 na Engenharia Florestal da UFPR e o primeiro de doutorado também foi criado na UFPR. A partir destas datas foram sendo criados vários outros em diversas instituições no país afora. Até o ano de 2014 inclusive foram formados 4448 mestres e 1300 doutores, perfazendo um total de 5768 pós-graduados formados em nossos diversos programas de Pós-Graduação.  Após mais de 40 anos de existência, pode-se considerar que a Pós-Graduação no Brasil está consolidada. Com as exigências da CAPES os cursos tem que cumprir requisitos mínimos para funcionamento e recebimento de bolsas pelos pós-graduados. Creio que a maioria de nossos cursos atingiram ou estão atingindo um bom nível na tentativa de alcançar a excelência de cursos dessa natureza espalhados pelo exterior. Muitos trabalhos de pesquisa de ponta têm originado dissertações, teses e artigos científicos. Claro que ainda há espaço para melhorar.
Central Florestal Professor, como é propriamente dito, fazer parte do ensino florestal desde a década de 60, e ainda atuar ativamente na docência e orientação de estudantes na UFPR?
Professor Sebastião Existem vícios difíceis de se largar, principalmente quando este causa algum prazer. Este é o meu caso. Como não sei fazer outra coisa a não ser trabalhar no ensino, na pesquisa e na orientação, eu continuo nessa jornada, a qual não pretendo parar enquanto a vida me permitir e eu me sentir como tendo alguma utilidade no meio. Na realidade ensinando e orientando eu continuo aprendendo a cada dia da vida. Isto me dá prazer e motivação em continuar ativo.
Central Florestal – De onde vem toda a energia e estimulo para continuar contribuindo ativamente com o ensino e ciência florestal?
Professor Sebastião – Embora na resposta da questão anterior eu já tenha incluído o aspecto referente a esta nova questão, eu poderia acrescentar que a energia vem de minha índole ligada ao trabalho desde os tempos em que eu tinha poucos anos de vida. Comecei a trabalhar muito cedo inclusive em serviços braçais. Assim eu me sinto mal ficar em casa sem fazer nada. Sentir-me-ia um inútil na sociedade.
Central Florestal E os seus amigos da primeira turma, aqueles ainda em vida, por onde andam hoje?
Professor Sebastião Fomos 17 os graduados na turma de Engenheiros Florestais pela Escola Nacional de Florestas da UFPR no ano de 1965. Destes, sete dedicaram ao ensino sendo: três em Curitiba, dois em Viçosa e dois em Lavras; os outros dez se espalharam por órgãos públicos e empresas privadas. Quatro dos colegas já faleceram, sendo que dois deles ainda jovens. Deve-se ressaltar que todos já se aposentaram, porém alguns como é o meu caso continuam ativos na profissão principalmente como consultores ou fazendeiros. Ressalte-se que minha turma mantém unida até hoje, haja vista que nos reunimos todos os anos no mês de setembro por três dias e cada ano em lugar diferente. Quase sempre, todos ou quase todos comparecem. No ultimo ano (2015) tivemos nossa reunião de gala quando completamos bodas de Ouro e tivemos uma solenidade Magna na UFPR presidida pelo reitor, quando de beca, fomos por assim dizer, “rediplomados” com orador de turma e tudo mais.
Central Florestal – Professor, já chegando ao final da entrevista, existe hoje, principalmente entre as instituições mais interiorizadas, muitos estudantes um tanto desestimulados com a profissão, muito devido à crise econômica que direta e indiretamente afeta uma possível redução de demanda por profissionais recém-formados. Para o Central Florestal tem sido uma grande luta a ser travada que é contribuir para que estudantes, sobretudo aqueles recém-formados, não migrem para outras áreas por falta de estimulo na área florestal. O que senhor pensa sobre isso, e qual recado pode deixar para essa geração de formandos, e para aqueles estudantes de ensino médio interessados no curso?
Professor Sebastião Crises sempre existiram e continuarão existindo. No entanto estas são para todos os profissionais e para a sociedade em geral. Como elas vêm, elas se dissipam. Se você realmente estiver na profissão que você gosta, não a abandone facilmente após a primeira decepção. Continue insistindo mesmo que você consiga um trabalho fora da profissão. 
Central Florestal – Professor Sebastião, esse é a nossa última pergunta, mas não menos importante. Já são 56 anos de engenharia florestal no Brasil, o que podemos esperar para os próximos 56 anos? Do ponto de vista da formação de engenheiros florestais. E para fechar, se possível deixe uma mensagem geral de força, ânimo e desafios para toda a classe de profissionais da eng. Florestal.
Professor Sebastião A grande demanda para profissionais da Engenharia Florestal nas duas primeiras décadas (60 e 70) de sua existência tinha um perfil de formação voltado para os sistemas de implantação de florestas homogêneas. Foi a época dos incentivos fiscais ao reflorestamento para atender basicamente os programas de papel e celulose e siderurgia. Com o passar dos tempos a silvicultura foi se tornando cada vez mais sofisticada, exigindo assim uma formação de profissionais que também tivessem conhecimentos na área administrativa e métodos operacionais que garantissem os abastecimentos fabris em quantidade e custos competitivos. O grande impulso no que se refere a aplicação de tecnologia de ponta se deu com os plantios clonais, o que tornou o Brasil pioneiro em reflorestamento em grandes áreas usando essa técnica liderada e implementada por engenheiros florestais. Concomitantemente com o passar dos anos foi se exigindo também Engenheiros Florestais com perfil ambientalista. O manejo das florestas tanto plantadas como nativas foi se tornando cada vez mais sofisticado. No que se trata de florestas plantadas, o Brasil atingiu a vanguarda mundial, graças em grande parte, ao trabalho e conhecimento dos Engenheiros Florestais brasileiros. Embora os engenheiros florestais tenham-se no momento dedicado muito trabalho também às florestas nativas, ainda há muito caminho a percorrer até atingirmos o ideal do que se refere a estas formações florestais. São ambientes complexos e muito mais difíceis de serem entendidos. Em síntese, há necessidade de preparo profissional específico para cada região do país. Muitos dos Engenheiros Florestais que virão trabalharão por conta própria.
Nos últimos anos o enfoque tem sido dado à silvicultura de precisão e à sustentabilidade ambiental, os quais exigem aprimoramento técnico-científico e maior sofisticação na formação de Engenheiros Florestais, tanto para cuidar das florestas de produção, como das florestas destinadas a conservação do meio ambiente. Exigir-se-á no futuro, profissionais hábeis na prestação de serviços ligados ao setor florestal o que demandará de empreendedores. Em síntese os engenheiros florestais que eram no início da profissão preparados basicamente para serem empregados públicos ou privados, num futuro que já está chegando o engenheiro florestal vai ser o dono do próprio emprego.
Como mensagem aos futuros engenheiros florestais eu recomendaria que estudem e procurem absorver os ensinamentos repassados nos bancos escolares; no entanto não se limitem apenas a isso procurem solidificar e mesmo ampliar estes conhecimentos participando de atividades extracurriculares, tais como: palestras, seminários, visitas técnicas e principalmente de estágios de diversas naturezas. A pós-graduação também é desejável, mesmo para aqueles que irão para a iniciativa privada. Quanto mais conhecimento se adquire mais competitivo você se torna.
Pessoal, essa foi nossa entrevista exclusiva com ele que uma das maiores referências no ensino florestal brasileiro. Ao Prof° Sebastião, ficam os nossos protestos de respeito e gratidão por essa entrevista, e pelo que és e representa à engenharia florestal brasileira.
E você, o que achou da entrevista e do tema abordado? 
Deixe sua opinião nos comentários e aproveite e curta-nos no facebook: https://www.facebook.com/centralflorestal[no-sidebar]

2 comentários:

  1. Parabéns ao pessoal da Central Florestal e fortíssimo abraço ao querido amigo Professor Sebastião. Exemplo de profissional. Leitura imperdível a todos os silvicultores!

    ResponderExcluir
  2. Foi meu professor no Doutorado em Engenharia Florestal da UFPR; muito orgulho do Prof. Sebastião.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.