Princípios silviculturais de 1713 marcaram o surgimento da “sustentabilidade”


A origem do termo “sustentável” ou “sustentabilidade” é atribuida por muitos autores a uma publicação alemã do ano 1713, escrita por Hans von Carlowitz. Nela, o autor se refere à necessidade do manejo florestal racional para combater a carência de madeira da época, que, segundo ele, ameaçava a economia do país. Dessa maneira, quase 100 anos antes da criação da profissão de engenharia florestal no mundo (criado em 1811, na Alemanha), Hans Calowitz já havia desenvolvido o primeiro conceito de sustentabilidade florestal nos termos que se entende hoje.

Esforços foram realizados no passado com o objetivo de manejar florestas e um dos compêndios mais antigos que trata do assunto, é o de Hans Carl von Carlowitz, que em 1713, na Saxônia, publicou a obra Sylvicultura Oeconomica. Ele escreveu que as florestas devem ser utilizadas com base nas suas características naturais para o bem estar da população, manejadas e conservadas com cuidado e com a responsabilidade de deixar um bom legado para as futuras gerações. 


No início do século 18, Hans Carl von Carlowitz (1645–1714), trabalhou como administrador de mineração da corte de Kursachsen em Freiberg, Alemanha, uma pequena cidade localizada a menos de 150 quilômetros de Erfurt, no sopé de Erzgebirge, a maior região de mineração em montanha do mundo na época. Entre as competências, ele também era responsável pelas florestas pertencentes aos proprietários da companhia de mineração. Nascido no castelo Rabenstein, perto de Chemnitz, durante a Guerra dos Trinta Anos, von Carlowitz testemunhou a destruição em massa causada pela guerra mais longa travada na Europa até então, que foi a experiência que influenciou profundamente sua percepção do mundo.

Originário da antiga nobreza saxônica, sua família era responsável pela caça e silvicultura em eixos de curso por gerações. O jovem Carlowitz provavelmente sabia muito praticamente como plantar e derrubar árvores, transportar toras de jangada e levar um forno de carvão até 1000 graus. E conheceu desde tenra idade o fantasma que era então usado nos países alemães e em toda a Europa: as previsões sombrias de uma escassez iminente de madeira devido a uma longa superexploração das florestas e a então fonte central de energia.
Em seu posto, o nobre de mente liberal trabalhou duro para promover a prosperidade do estado da Saxônia, promovendo a indústria de mineração. No entanto, essa indústria consumiu grandes quantidades de madeira de árvores nativas, primeiro para o reforço dos poços e túneis de mineração e depois para a fundição dos minérios. Em sua viagem educacional de vários anos pela Europa, ele estudou as soluções para a dramática crise de recursos previsível.
Ao mesmo tempo, a população na região aumentou rapidamente, e as cidades em constante expansão pressionaram enormemente as florestas locais. Ao longo de algumas décadas, as florestas locais desapareceram e a madeira tornou-se uma mercadoria escassa, colocando em risco o futuro dos negócios de mineração. Dessa forma, para garantir o fornecimento de madeira a esta indústria que era vital na região, Hans Carl von Carlowitz pediu um gerenciamento contínuo, gradual e sustentável das florestas esgotadas na Saxônia, referindo-se às décadas que leva para cultivar madeira e à responsabilidade com as próximas gerações.
Ilustração: Marco Wagner - Chrismon Evangelische Magazin
Ele propôs que, no futuro, apenas uma parte de madeira pudesse ser colhida enquanto houvesse rebrota no mesmo período. Ao adotar essa abordagem, ele queria proteger as florestas como um recurso vital para as gerações futuras. Com base no conhecimento e na experiência de manejadores florestais anteriores, bem como em suas próprias ideias e pensamentos, ele escreveu um tratado de 400 páginas intitulado "Sylvicultura Oeconomica" publicado em 1713, agora geralmente reconhecido como o ano em que a sustentabilidade foi "inventada".
von Carlowitz trabalhou por quase 50 anos na obra “Sylvicultura oeconomica”, antes de publicá-la em 1713. Um livro volumoso de mais de 400 páginas, ele enfatiza o princípio de que não é possível extrair mais madeira da floresta além do que ela cresce. E pela primeira vez na história econômica, a palavra sustentabilidade foi usada. O autor defende tal uso e "cultivo da madeira (...) que haja um uso contínuo, constante e sustentável".
A criação da palavra de Carlowitz, logo modificada para 'sustentável', estabeleceu-se na linguagem técnica dos silvicultores alemães no decorrer do século XVIII. No século 19, eles foram traduzidos para outras línguas. Em inglês, por exemplo, com silvicultura de rendimento sustentado. Nesta versão, o termo tornou-se o modelo do nosso conceito moderno de desenvolvimento sustentável no final do século XX. Pode-se dizer que a sustentabilidade como conceito é um presente da língua alemã para o vocabulário global e para a comunidade global.
O princípio da sustentabilidade desenvolvido na Saxônia inspirou a ciência florestal
Apenas algumas décadas depois que as opiniões de Hans Carl von Carlowitz foram adotadas pelos gerentes florestais de outras regiões da Alemanha e Europa. Entre seus primeiros seguidores estava Heinrich Cotta (Estado da Turíngia), que fundou a primeira faculdade florestal em alemão por volta de 1795 em sua terra natal, Zillbach/Meiningen. Numa fase posterior, ele criou a instituição que agora é conhecida como Departamento de Ciências Florestais da Universidade Técnica de Dresden. Von Carlowitz também inspirou Gottlob König, que estabeleceu uma academia florestal em Eisenach.
Esses dois homens desenvolveram a silvicultura como uma disciplina científica baseada no princípio da sustentabilidade. A Saxônia e a Turíngia podem, com razão, reivindicar ser o berço da sustentabilidade, bem como da ciência moderna da silvicultura. Hoje, as práticas e pesquisas florestais alemãs ainda são altamente consideradas em todo o mundo.

Foto: Akademie LandPartie

No entanto, Hans Carl von Carlowitz não viu os frutos de seu trabalho. Ele morreu aos 68 anos em março de 1714, apenas um ano após a publicação de seu trabalho inovador "Sylvicultura Oeconomica". Seus pensamentos e ideias, no entanto, moldaram a lei moderna, como o Ato Florestal Estadual da Turíngia e o Ato Nacional Florestal Alemão. Em 2012, a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável fez da sustentabilidade o princípio fundamental do desenvolvimento global. Com o tempo, o termo "sustentabilidade" passou de um termo puramente quantitativo para uma noção qualitativa.

Por Luciano França | Editorial Central Florestal

---

Com informações de:
§   GROBER, U. Von Kursachsen Nach Rio - Ein Lebensbild über den Erfinder der Nachhaltigkeit Hannß Carl Edler von Carlowitz und die Wegbeschreibung eines Konzeptes - aus der Silberstadt Freiberg.

2 Comentários

  1. Heinrich Cotta desenvolveu uma equação para que se determinasse a quantidade de volume de uma área mantendo outra quantidade para exploração futura.
    Essa foi a base do que chamamos hoje "corte anual permissível":
    Cap = (vol comercial + 1/2 ima)/ ciclo de corte
    Este é o.Método de Cotta

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem