Ads Top

Você sabe o que a origem da Biblicleta no mundo tem a ver com a Engenharia Florestal?

Pois bem, o considerado inventor da bicicleta era um Engenheiro Florestal! Leia a matéria completa e saiba quem foi este engenheiro e toda a história da criação das bicicletas.

O Engenheiro Karl Drais frequentou a escola em Karlsruhe (Alemanha), finalizando o liceu em 1800, tendo-se transferido para Pforzheim, entrando numa escola privada de gestão florestal, propriedade do seu tio Friedrich Heinrich Georg von Drais. No entanto, as ofertas de emprego para jovens administradores florestais eram raras. Assim, Drais decidiu, em 1803, estudar Matemática, Física e Arquitetura na Universidade de Heidelberg até 1805. Nesta data, tornou-se membro da Administração Florestal de Baden, mas interromperia, mais tarde, a sua carreira para se tornar professor e inventor.
Apesar de alguns autores defenderem que Leonardo da Vinci, ou um dos seus discípulos, concebeu um projeto muito semelhante à bicicleta tal como a conhecemos, a legitimidade histórica do desenho do Codex Atlanticus é muito contestada e mesmo considerada como fraude. Na China a invenção da bicicleta é atribuída ao antigo inventor chinês Lu Ban, que nasceu há mais de 2.500 anos atrás. Em 1680, Stephan Farffler, um alemão construtor de relógios, projetou e construiu algumas cadeiras de rodas tracionadas por propulsão manual através de manivelas, mas o certo é que o alemão Barão Karl von Drais pode ser considerado o inventor da bicicleta, pois, em 1817 ele implementou um brinquedo que se chamava celerífero, desenvolvido pelo Conde de Sivrac em 1780. O celerífero fora construído em madeira com duas rodas interligadas por uma viga e um suporte para o apoio das mãos e destinava-se apenas a tração utilizando-se dos pés quando o "velocipedista" postava-se na viga de madeira. O Barão Drais instalou em um celerífero um sistema de direção - guidão - que permitia fazer curvas e com isto manter o equilíbrio da bicicleta quando em movimento, além de um rudimentar sistema de frenagem. O sucesso foi tanto que em abril de 1818, o próprio Barão Drais apresenta seu invento no parque de Luxemburgo, em Paris, e meses mais tarde faz o trajeto Beaune - Dijon, na França. Drais patenteou a novidade em 12 de janeiro de 1818 em Baden, Paris e outras cidades europeias. Mesmo sendo um avanço para a época, seu "produto" não tornou-se popular e o Barão foi ridicularizado e seu projeto o tornou um homem falido.
O alemão Barão Karl von Drais, engenheiro agrônomo e florestal vindo de família de posses, pode ser considerado de fato o inventor da bicicleta. 
Em 1817 instalou em um celerífero um sistema de direção que permitia fazer curvas e com isto manter o equilíbrio da bicicleta quando em movimento. Além do mais a "draisiana" vinha com um rudimentar sistema de freio e um ajuste de altura do selim para facilitar o seu uso por pessoas de diversas estaturas. 
A possibilidade de sentar-se num selim parecido a uma sela de cavalo e apoiar os pés no chão, de direcionar a máquina e manter o equilíbrio por longos trechos, e ainda frear, permitia ao condutor o controle da situação e uma sensação conforto e segurança. 
O princípio para movimentá-la era bastante simples: sentado no selim da draisiana com os pés apoiados no chão bastava sair andando ou correndo até que se chegasse ao equilíbrio. A partir daí o condutor levantava os pés até que fosse necessário mais impulso para manter a velocidade e o equilíbrio. No plano, conforme a situação do piso, era possível ir mais rápido do que a pé. Nas descidas a velocidade era quase impensável para a época. 



A novidade foi patenteada em 12 de Janeiro de 1818, em Baden e em outras cidades européias, incluindo Paris. O Barão von Drais então passa a viajar pela Europa fazendo contatos para mostrar seu produto, mas suas qualidades de vendedor eram ruins e ele acabou ridicularizado e falido.
Em 1818, o Barão Charles Karl Von Drais, Barão de Sauerbron em Karlsruhe (Alemanha), inventou uma versão de duas rodas melhorada do celerífero , chamado de "laufmaschine", uma palavra alemã para "máquina de corrida".  Olaufmaschine fez evoluir as experiências de Sivrac ao dotar o “celerífero” de um mecanismo de direcção e guiador, através da montagem da roda dianteira num eixo móvel. Tal como o celerifero, na laufmaschine o piloto tinha que empurrar os seus pés contra o chão para fazer a máquina andar para a frente. Este veículo foi exibido pela primeira vez em Paris em 6 de abril de 1818. A nova máquina também recebeu a designação de “draisiana”.
Karl Von Drais patenteou este projeto em 1818, que foi o primeiro sucesso comercial de um veículo de duas rodas, dirigível, movido apenas pelo homem, e apelidado de “cavalo de pau” ou “cavalo dândi”.  Existem provas circunstanciais que o interesse de Drais em encontrar uma alternativa para o cavalo foi causado pela fome e a morte de cavalos resultado da fraca colheita de 1816.

Com Informações de:
http://www.karl-drais.de/pt_biografia%20Karl%20Drais.pdf
http://www.escoladebicicleta.com.br/historiabicicletaW.html 
[no-sidebar]

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.