Ads Top

O desenvolvimento de abelhas robôs para polinização de culturas


Micro-robôs voando autonomamente com usos potenciais em polinização de culturas, missões de busca e salvamento, vigilância e monitoramento ambiental

A

s abelhas enfrentam grave ameaça à sua existência na vida selvagem, e, hoje em dia, a maioria dos agricultores têm que comprar ou alugar colônias, contribuindo, assim, para um aumento nos preços de alimentos. Segundo a Bee Informed Partnership, só nos EUA, os apicultores locais já perderam cerca de 40% de suas colônias de abelhas.

Segundo alguns estudos os pesticidas são os culpados pela grande mortalidade das abelhas, elas são diretamente responsáveis ​​pela polinização de cultivos produzindo uma economia no valor de US $ 15 bilhões a cada ano só nos EUA.

Inspirados pela biologia de uma abelha, os pesquisadores do Wyss Institute estão desenvolvendo RoboBees, sistemas artificiais que poderiam desempenhar uma série de papéis na agricultura ou no alívio de desastres. Um RoboBee mede cerca de metade do tamanho de um clipe de papel, pesa menos que um décimo de grama e voa usando “músculos artificiais” comprometidos com materiais que se contraem quando uma voltagem é aplicada. Modificações adicionais permitem que alguns modelos do RoboBee façam a transição de natação subaquática para voar, bem como “poleiro” em superfícies usando eletricidade estática.


O idealizador do RoboBee foi motivado pela ideia de desenvolver veículos micro aéreos autônomos capazes de voar autodirigidos e de conseguir um comportamento coordenado em grandes grupos. Para esse fim, o desenvolvimento da RoboBee é amplamente dividido em três componentes principais: o Corpo, o Cérebro e a Colônia.


O desenvolvimento do corpo consiste na construção de insetos robóticos capazes de voar sozinhos com a ajuda de uma fonte de energia compacta e perfeitamente integrada; o desenvolvimento do cérebro se preocupa com sensores "inteligentes" e controles eletrônicos que imitam os olhos e as antenas de uma abelha, e podem sentir e responder dinamicamente ao ambiente; O foco da Colônia é coordenar o comportamento de muitos robôs independentes, de modo que eles atuem como uma unidade eficaz.

Para construir o RoboBees, pesquisadores do Wyss Institute desenvolveram métodos inovadores de fabricação, as chamadas tecnologias micro eletromecânicas Pop-Up (MEMs) que já expandiram enormemente os limites do projeto atual de robótica e Engenharia.

Veja o vídeo de alguns testes realizados com o RoboBee



Os protótipos ainda são amarrados por um cabo de força muito fino porque não existem soluções prontas para armazenamento de energia que sejam pequenas o suficiente para serem montadas no corpo do robô. Células a combustível de alta densidade energética devem ser desenvolvidas antes que os RoboBees possam voar com muita independência.


Crédito: Instituto Wyss da Universidade de Harvard (https://wyss.harvard.edu/technology/autonomous-flying-microrobots-robobees/)

[no-sidebar]

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.